Exportar registro bibliográfico

Enxaqueca: fatores que interferem no mecanismo da doença e as perspectivas dos tratamentos profiláticos em adultos (2018)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: ROCHA, CAROLINA ALVES - FCF
  • Unidades: FCF
  • Subjects: FATORES DE RISCO; ENXAQUECA
  • Language: Português
  • Abstract: INTRODUÇÃO: A enxaqueca é um transtorno de cefaleia primária que, além da alta prevalência, é classificada como uma das maiores causas específicas de incapacidade em todo o mundo e pode ter altos impactos socioeconômicos e pessoais. Apesar da relevância, trata-se de uma condição muitas vezes sem um diagnóstico e tratamentos adequados. O tratamento normalmente se inicia com associações a analgésicos que podem não ser eficientes e em excesso podem levar à cefaleia diária por uso crônico. Tendo isso em vista, os tratamentos profiláticos com a utilização de medicações preventivas e controle dos fatores de risco modificáveis são uma alternativa para pacientes com alta frequência de crises, a fim de redução dessa frequência e consequentemente redução de uso dos medicamentos de crise. OBJETIVO: Realizar uma revisão da literatura baseada nos mecanismos fisiopatológicos da enxaqueca a fim de identificar os principais desencadeadores das crises migranosas e as perspectivas dos tratamentos profiláticos em relação aos tratamentos de crise. MATERIAIS E MÉTODOS: A busca de artigo foi realizada nos bancos de dados PubMed e LILACS. Além disso, foram utilizadas diretrizes e recomendações de órgãos nacionais e internacionais. RESULTADOS: Apesar do mecanismo da doença ser incerto, assim como sua progressão, foi possível estabelecer fatores de risco para cronificação da enxaqueca por meio de estudos epidemiológicos. Esses estudos apresentaram fatores de risco considerados modificáveis (distúrbios psiquiátricos, de sono, obesidade, alodinia, depressão, alta frequência de crises, uso abusivo de medicamentos utilizados em crise, consumo excessivo de cafeína, entre outros) e não modificáveis (fatores genéticos, sexo feminino, idade, status socioeconômico, histórico de lesões cerebrais, entre outros) que foram encontrados em maior prevalência nos pacientes que apresentavam oquadro de enxaqueca crônica quando comparados aos pacientes com enxaqueca episódica. Esses fatores são de grande importância para o manejo clínico com estratégias não farmacológicas e farmacológicas mais adequadas a cada caso clínico. Conforme as diretrizes recomendadas pela IHS, a escolha da terapia profilática varia conforme as necessidades individuais de cada paciente, incluindo suas comorbidades e tratamentos concomitantes, que vão se adequar melhor a algumas classes terapêuticas disponíveis, melhorando a tolerabilidade ao tratamento de escolha. Dentre as opções terapêuticas estão os beta bloqueadores, bloqueadores do receptor de angiotensina, inibidores da ECA, antidepressivos, anticonvulsivantes, antagonistas dos receptores de serotonina, entre outras opções menos estudadas e como terapia adjuvante profilática, recomenda-se o uso de toxina botulínica A. Atualmente, pesquisas estão sendo realizadas com relação ao uso de anticorpo monoclonal e até então, essas pesquisas estão sendo promissoras, com eficácia semelhante aos medicamentos preventivos orais e melhor tolerabilidade. CONCLUSÃO: A identificação desses fatores de risco e desencadeadores nos pacientes é 3 importante para que o neurologista possa propor tratamentos mais eficientes, farmacológicos e não farmacológicos. De um modo geral, os tratamentos profiláticos em adultos se mostram promissores nos estudos como uma terapia eficaz em longo prazo associada aos medicamentos de crise com uso controlado. Entretanto, são necessários mais estudos de eficácia para o uso dessas medicações nos quadros de enxaqueca crônica
  • Imprenta:

  • Download do texto completo

    Tipo Nome Link
    Versão Publicada2954219.pdfDirect link
    Versão Publicada2954219 (1).pdfDirect link
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      ROCHA, Carolina Alves; MARCOURAKIS, Tania. Enxaqueca: fatores que interferem no mecanismo da doença e as perspectivas dos tratamentos profiláticos em adultos. [S.l: s.n.], 2018.
    • APA

      Rocha, C. A., & Marcourakis, T. (2018). Enxaqueca: fatores que interferem no mecanismo da doença e as perspectivas dos tratamentos profiláticos em adultos. São Paulo.
    • NLM

      Rocha CA, Marcourakis T. Enxaqueca: fatores que interferem no mecanismo da doença e as perspectivas dos tratamentos profiláticos em adultos. 2018 ;
    • Vancouver

      Rocha CA, Marcourakis T. Enxaqueca: fatores que interferem no mecanismo da doença e as perspectivas dos tratamentos profiláticos em adultos. 2018 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Academic Works of Universidade de São Paulo     2012 - 2020