Exportar registro bibliográfico

Comportamento mecânico de pelotas autorredutoras subestequiometricas de minério de ferro (2018)

  • Authors:
  • USP affiliated author: MASCHIO, CAROLINA PERSON - EP
  • School: EP
  • Sigla do Departamento: PMT
  • Subjects: MINÉRIOS; COQUE
  • Language: Português
  • Abstract: primeiros dias de cura. Por fim, as pelotas sem redutor em sua composição se mostraram muito mais resistentes e menos porosas que as autorredutoras. Entretanto, o grau de redução atingido por estas é menor.Pelotas compostas de minério de ferro, aglomerante e coque foram analisadas quanto à resistência à compressão, resistência à queda e porosidade. Para isso, três lotes de pelotas foram confeccionados, com diferentes teores de redutor, até a quantidade necessária para reação completa com os óxidos de ferro. Após seu preparo, as pelotas passaram por diferentes tempos de cura ao ar. Ensaios de resistência à compressão à frio e porosidade foram realizados em pelotas verdes e com 3, 7, 14, 21 e 28 dias de cura. Ensaio de resistência à queda foi feito apenas para pelotas verdes. Após 28 dias, uma série de pelotas foram secas e submetidas a testes de resistência à compressão após serem aquecidas, variando as temperaturas de 200°C a 900° em atmosfera de nitrogênio. Analisou-se, também, a perda de massa em cada patamar de temperatura. Um lote adicional de pelotas sem redutor em sua composição foi feito, visando comparar os resultados destas com os das pelotas autorredutoras. Para este lote, apenas os ensaios de compressão pré e pós aquecimento foram realizados. Pelotas dos lotes P_100 e P_0 foram analisadas no Microscópio Eletrônico de Varredura após ser aquecidas até a temperatura de 900°C, a fim de comparar o grau de redução atingido em cada uma. Adicionalmente, foi realizada uma análise qualitativa e quantitativa através da Espectroscopia de Energia Dispersiva (EDS) nestas mesmas amostras. Entre os principais resultados, verificou-se que o comportamento mecânico de pelotas autorredutoras é melhorado com o aumento do tempo de cura e prejudicado pelo aumento do teor de coque e aumento da temperatura. Após 600°C, a resistência das pelotas cai potencialmente. Além disso, lotes com maiores teores de coque apresentaram maiores valores de porosidade, sendo que este aumento foi mais significativo nos
  • Imprenta:

  • Download do texto completo

    Tipo Nome Link
    Versão PublicadaTF-2018 M375c_02092019_12...Direct link
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      MASCHIO, Carolina Person; MOURÃO, Marcelo Breda. Comportamento mecânico de pelotas autorredutoras subestequiometricas de minério de ferro. [S.l: s.n.], 2018.
    • APA

      Maschio, C. P., & Mourão, M. B. (2018). Comportamento mecânico de pelotas autorredutoras subestequiometricas de minério de ferro. São Paulo: EPUSP.
    • NLM

      Maschio CP, Mourão MB. Comportamento mecânico de pelotas autorredutoras subestequiometricas de minério de ferro. 2018 ;
    • Vancouver

      Maschio CP, Mourão MB. Comportamento mecânico de pelotas autorredutoras subestequiometricas de minério de ferro. 2018 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Academic Works of Universidade de São Paulo     2012 - 2020